16 novembro, 2007

O louvor de Frei Jerônimo

Frei Jerônimo vive em Olinda
os momentos mais importantes
de sua existência.
Foi na nossa cidade onde despertou
para o seu poder de cura.
Aqui também realiza importante
obra social, além dos seus louvores.

Jerônimo Gomes de Souza

(Mossoró, RN, 4/3/1960).

"Em 1977, entrei para a Marinha no Recife. Fiquei apenas um ano e fui para Maceió para ser padre. Estudei no Sagrada Família para ser aspirante de frade. De 1982 a 1987, estudei no Instituto de Teologia do Recife, tive professores como Sebastião Armando e Leonardo Boff. Em 1987 ordenei-me diácono e fui para Amazônia - Prelazia de Óbidos, no Pará - vivenciar a aplicação da Teologia da Libertação. Convivi com os índios Tiriós, na fronteira do Brasil com o Suriname. Em 1988, ordenei-me em Mossoró.

Voltei para Pernambuco em 1993. Morei em Ipojuca e Triunfo onde fui guardião e vigário. De Triunfo fui transferido para Olinda, em 1995. Estava faltando padres em Olinda e me pediram para ajudar na Diocese. Fui ser vigário cooperador da Igreja de São Pedro Mártir. Em Olinda foi que a minha vida começou a mudar."


"Tinha feito três casamentos em Olinda, o relógio já marcava 21h 30 min, quando passei na Rua da Palha, na frente do Convento de São Francisco, encontrei uma senhora de nome Jupira com uma erisipela muito grande e gritando de dores. Ela me indagou:

- Frei Jerônimo, o senhor não está sentido minha falta na igreja? É que estou com muitas dores.

Passei adiante e disse:

- Reze que Jesus lhe cura.

Após uns dez passos, senti algo dizendo dentro de mim:

- Volte e cure!

Eu voltei. Eu nunca tinha feito uma oração de cura. Voltei e perguntei:

- A senhora tem fé?

Ela me disse:

- Fé é o que não me falta.

Eu pedi:

- Me dê um copo d'água.

Coloquei as duas mãos para benzer a água e fazer uma oração de cura. De repente, eu sinto uma mão pegar na minha mão para benzer a água e fazer uma oração de cura. Benzi a água e disse:

- A senhora faça de conta que quando essa água tocar na sua perna é a mão de Jesus que está lhe curando.

Quando a água tocou na perna dela, ela disse:

- Frei Jerônimo, a água está quente.

Eu respondi:

- A água está fria e mandei ela beber.

Voltei para o convento. Abri a porta do quarto. Sentei e adormeci. Só acordei de madrugada para dormir novamente em seguida.

No outro dia, de noite, fui celebrar a missa na matriz de São Pedro Mártir. Aí, alguém toca na minha costa, eu me viro e Dona Jupira diz:

- Frei Jerônimo, olhe as minhas pernas.

Puxou o vestido e a perna estava totalmente sarada. Ela pegou o microfone e disse:

- Minha gente, Frei Jerônimo tem o dom da cura, quem tiver doença que procure ele, que Jesus está com esse homem!

Dona Jupira está viva até os dias de hoje para contar essa história.

A partir desse dia, minha vida mudou totalmente."


"Fui procurado por Irmã Adélia - a que viu Nossa Senhora em Cimbres, Pesqueira, em 1936. Trabalhamos juntos de 1995 a 1996. Vieram as missas de cura e libertação. O movimento cresceu de forma que não havia mais lugares nas igrejas. Isso incomodou alguns padres e o bispo da Diocese acusando-me de curandeiro. E me colocaram na rua até o dia de hoje.

Com dois dias, a matéria saiu no jornal do dia 7/6/1997, no Jornal do Commercio com o título:

- FRADE ACUSADO DE CURANDEIRISMO É AFASTADO DA DIOCESE.

Os fiéis se revoltaram e ficaram do meu lado. Porventura, pela graça de Deus, eu estava programado para viajar para o exterior em 9/6/1997. E visitei alguns países como Portugal, Itália, Croácia, Bósnia e Israel, entre outros. Fiz um curso de Bíblia durante um mês e voltando passei em Roma, onde deixei registrado todo o acontecimento para conhecimento do Papa João Paulo II, que me respondeu com uma carta dizendo o seguinte:

- Que obedecessse ao Ordinário local, mas seguisse minha vida sacerdotal que Deus me daria forças.

Regressando à Olinda, o jornal divulga:

- VOLTAM AS SESSÕES DE CURA COM FREI JERÔNIMO.

Teve uma repercussão no rádio e na TV.

E me veio a pergunta:

- Como sobreviver agora? Sem igrejas, sem poder celebrar as missas, sem batizar, sem dinheiro. Tenho que ir embora.

Logo descobri que para onde eu fosse, o Bispo atrapalharia. Então, resolvi ficar sem o apoio s Igreja, mas com o apoio de Deus, do povo. E com fé!

Fui morar em uma casa alugada. Consegui um emprego ganhando 300 reais por mês e o aluguel da casa era de 600 reais. Me apareceram amigos e amigas que se propuseram a ajudar no pagamento da casa. E logo vinha outra pergunta:

- Onde atender a multidão que me procurava?

Bateu em minha porta uma senhora de família tradicional de Olinda, moradora da Rua do Bonfim, possuidora de um grande casarão que me ofereceu para as missas e louvores no terraço. E aí comecei, em julho de 1997. Fui rejeitado por alguns e apoiado por muitos, e a cada dia chegava novos fiéis à procura de novas curas.

Foi quando Deus me deu um novo dom. O dom da palavra. Foi em Belém do Pará, tinha preparado um discurso de 10 páginas para ler. Era péssimo orador e não podia improvisar, senão seria um desastre. Era uma missa campal. De repente, o vento soprou e levou todas as páginas que tinha escrito. Fui obrigado a falar de improviso. E foi o melhor discurso que fiz. O povo aplaudiu como aplaude até hoje.

E começaram a surgir os casos de cura. O do médico Nei Cavalcante, famoso endocrinologista pernambucano. Nei Cavalcante teve um câncer no pulmão, foi se tratar nos Estados Unidos e de lá os médicos o mandaram de volta ao Brasil para morrer. Ele estava magérrimo. Preferiu ficar em São Paulo. Não queria que os amigos de Pernambuco o vissem na situação em que se encontrava.

Foi quando Itamir Moura disse a Nei Cavalcanti:

- Nei, em Olinda tem um fradezinho que cura. Fui na casa onde estava. Após três visitas, o câncer desapareceu e ele como médico não atribui a cura. Engordou 26 quilos, voltou a clinicar e, hoje, 10 anos depois está medicando, ajudando as pessoas.

Teve o caso de uma criança, o Luan, com a síndrome da rubéola, nasceu mudo, surdo e cego. Com menos de seis meses,a criança estava curada. Vê, ouve, fala e ainda com dificuldades.

Os louvores continuavam crescendo. O casarão do Bonfim ficou pequeno. Fui para uma casa de festa, a Ribeira Recepções. Não cabendo mais, fui para a Praça da Preguiça. Não deu certo. Fui para a casa de uma senhora chaada Porcina e lá aconteceu uma mudança no louvor. Uma multidão de velhinhas pobres me seguia. Quando eu estava falando em Jesus, uma velhinha desmaia. A casa era perto do Pronto Socorro de Olinda. Levaram-na ao médico de plantão que disse com a maior naturalidade:

- Ela não tem doença, diga ao padre que a doença dela é fome. Diga para ele dar comida a velhinha.

Eu enfrentei o desafio e disse:

- A partir de hoje o nosso louvor vai se transformar num local onde os pobres, os famintos vão sair cheios da palavra e de alimento.

E olhei para a mutidão e disse:

- Quem topa fazer sopa e doar para esses pobres comigo?

Poucas mãos se levantaram. Uns disseram:

- Não vai dar certo!

Nunca vi fome e vontade de comer para não dar certo. E surgiram os primeiros 12 caldeirões de sopa e 800 pratos de sopa."

"Hoje distribuímos 4.000 pães e 800 pratos de sopa. São 70 voluntários. E não paramos na sopa apenas e damos, também, cestas básicas e enxovais. Criei o ambulatório, com médico, clínico-geral, que atende gratuitamente 30 velhinhas e ainda por cima doamos os remédios. Contamos com a ajuda da Prefeitura de Olinda na distribuição dos remédios.

O louvor cresceu e fomos para o Mercado Eufrásio Barbosa onde chegamos a colocar duas mil pessoas. Depois fomos para o Clube Atlântico de Olinda, com o apoio da Prefeitura de Olinda. Depois voltamos para o Mercado Eufrásio Barbosa, devido a uma futura reforma no Clube Atlântico. No Mercado Eufrásio Barbosa, dessa vez, só realizamos dois louvores porque secretários da Prefeita - sem entender a importância do nosso trabalho - julgaram mais importante realizar atos políticos no local do que dar acolhida aos pobres votantes, sem vez e sem vz. E nos retiraram de lá com a frieza insensível como a de Pilatos com Jesus.

E para nos consolar disseram:

- Se quiserem fiquem na Casa do Carnaval na Avenida Joaquim Nabuco.

Não havia a menor condição. Tivemos dois encontros, sem a presença da prefeita, que estava ausente, e não chegamos a nenhuma conclusão. Resultado: Ficamos sem local para realizar o louvor.

E veio a minha mente:

- Por que tanto desprezo Senhor? Primeiro, a Igreja Católica me fecha suas portas. Olinda das igrejas vazias e Olinda dos prédios barrocos, históricos, grandiosos, acolhendo morcegos, e fechando suas portas para o seu povo pobre. Que compromisso tem este povo que cerca a prefeita? Que sensibilidade tem esse povo que vive às custas dos pobres e desvalidos?

Mas, para a glória de Deus, com a ajuda de Arlindo Siqueira, conseguimos de onde não se esperava, um clube carnavalesco, o Vassourinhas de Olinda, que está nos acolhendo com toda gentileza, hospitalidade e fervor.

SERVIÇO

Louvor do Frei Jerônimo - Todas as terças-feiras, às 19h 30min às 21h, na sede do Clube Vassourinhas de Olinda, no Largo do Amparo. Antes, às 9 horas da manhã, começam a chegar os voluntários para organizar o local, receber os pães, a sopa, abrir o consultório médico.

15 comentários:

Anônimo disse...

Arlindo parabens pelo seu blog e a entrevista de FREI JERONIMO ESTAR BOA DEMAIS, CONTINUI ASIM . MILTON JOSE DE LIRA FLORIDA.

Anônimo disse...

ESTOU NO CANADAR ACOMPANHO SEU BLOG E ESTOU SEMPRE ACOMPANHEDO SEU PASSOS JÁ MIM COMUNIQUEI COM MINHA FAMILIA EM OLINDA PARA VOTAR EM VOÇE PARA PREFEITO E FALARAM QUE O FREI JERONIMO JÁ TINHA PEDIDO PARA VOTAR EM VOÇE.GRAÇA A DEUS VOÇE VAI GANHAR OLINDA NÃO MERECE ESSE POVO INROLÃO QUE ESTAR AI VI AQUI NA INTERNT QUE ATE O PRONTO SOCORRO DE OLINDA ESTAR FECHADO. ASSIM NÃO DAR ....PACHECO CANADA.

Anônimo disse...

ARLINDO SOU EDNA DO LARGO DO AMPARO ESSA SUA CAMPANHA AGORA VAI A OUTRA S� QUERIA SABER DE CARNAVAL, O FREI JERONIMO FOI O MAIOR PRESENTE DE DEUS QUE VO�E DEUS AO POVO DA CIDADE ALTA AQUI NA CIDADE ALTA S� DAR ARLINDO SIQUEIRA.PARABENS ESTOU IMPRECIONADA..MAM�O,ADRIANA DO PASSO,VEIO DA BUDEGA,PAULO,A FAMILIA DO LORDE , CARLOTINA,SILVIO BOTELHO,CACAU,A FAMILIA TODA DE EDMAR LOPES,A FAMOLIA DE BAJADO,ZEZITO,CLAUDINHA,MANOEL DOS BONECOS,A FAMILIA DE PINININHO,SELMA DO COCO,BIU DE OLINDA,JUCA,NILTINHO, CABELA,ZUZA,CLOVES DA BARREIRA,REGES,Z� LOPES,LUIZINHO,Z� SON, LUCIANO PADILHA,ZEINHA DA TAPIOCA,JULHINHO,MIRANDA,ROCHINHA,TIAGO AMORIM SILVIA PONTUAL,ANANIAS E ATE ALCEU VALEN�A MIM DISSE QUE VAI VOTAR EM VO�E A PEDIDO DE JO�O DE LIMA NETO E LOGICO EU MIRIAN LINS LOPES. MORADORA DA CIDADE ALTA A 20 ANOS. XERO....

Anônimo disse...

OI SOU EDNA PEDI PARA MIRIAM DIGITAR PARA MIM FOI PIOR QUERO DIZER QUI AQUI NA CIDADE ALTA SÓ DAR ARLINDO PARABENS CONTINUI ASIM O FREI JERONIMO FOI UM PRESENTE DE DEUS OBRIGADO AS PESSOAS QUE ESTAR COM VOÇE É MUINTO MAIS VOÇE VAI GANHAR SE DEUS QUIZER..PARABENS....VOTO EM VOÇE PARA PREFEITO E VEREADOR VOÇE DEPOIS MIM FALA EM QUE VOU VOTAR TÁ.. BEIJO .

Anônimo disse...

E X E L E N T E O BLOG......

Anônimo disse...

FREI GERONIMO É BOM DEMAIS..O BLOG ESTAR OTIMO ALDO LIMA

Anônimo disse...

NÃO ESTAVA SABENDO ONDE ESTAVA O FREI GERONIMO, OBRIGADO PELAS INFORMAÇOES SOU DE GARANHUS.XAU VOU LAR . ONDE FICA ESSE CLUBE ARLINDO.?????????????????????

Anônimo disse...

NÃO SABIA NEM O QUE ERRA BLOG.GOSTEI MUINTO VIU JOSÉ VASCONCELOS BOA VIAGEM

esio jose rego barros da silva disse...

Parabens Arlindo. A entrevista com frei jerônimo está ótima. Acompanho sempre o Frei.Saudações rubro-negras, mas da ilha do retiro. Vá em frente. Sucesso.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

P T B ESTAR DE PARABENS....

Anônimo disse...

O FREI É DE DEUS.

Anônimo disse...

OLINDA ESTAR DE PARABENS ESSE BLOG TÁ TRAZENDO INFORMAÇÕES,BOM DEMAIS.

Anônimo disse...

Oi Frei aqui e Ruben do Louvor, fico felz por você voltar ao Clube Atlântico de Olinda, minha mãe está cantando como você falou, e melhorei muito, está de parabéns Feri, fique com Deus.

Anônimo disse...

Olá gente,
frequento o louvor do frei jeronimo a mais ou menos um ano. sempre passava pelo varadouro e via a faixa hoje tem louvor com frei jeronimo e tinha uma certa curiosidade, até porque eu tenho um amigo que sempre passava numa casa de chocolates e dizia hoje vou para o louvor do frei jeronimo distribuir sopa.certo dia, fui com duas amigas adorei e nunca mais deixei de ir, minhas amigas vão vez ou outra, mas nem doente deixo de ir. é de uma paz enorme, tenho alcançado varias graças. fiquem com Deus, paz e benção, tenho divulgado para amigos ou não que percebo que precisam da palavra de Deus. boa noite a todos sou mirian